08:30 - 18:00

Atendimento de Segunda à Sexta

Facebook

Linkedin

Instagram

Procurar
 

Justiça de São Paulo poderá bloquear conta do devedor por 30 dias sucessivos

Alves Oliveira Advocacia > Sem categoria  > Justiça de São Paulo poderá bloquear conta do devedor por 30 dias sucessivos

Justiça de São Paulo poderá bloquear conta do devedor por 30 dias sucessivos

Em dezembro de 2019, foi implantado o Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário – SisbaJud em substituição ao BacenJud.

 

Este sistema interliga a Justiça ao Banco Central e às instituições financeiras, para agilizar a solicitação de informações e o envio de ordens judiciais ao Sistema Financeiro Nacional, via internet.

 

O principal objetivo do desenvolvimento do novo sistema foi a necessidade de renovação tecnológica da ferramenta, para permitir inclusão de novas e importantes funcionalidades, além do envio eletrônico de ordens de bloqueio e requisições de informações básicas de cadastro e saldo, já permitidos pelo Bacenjud.

O Sisbajud já conta com a ampliação das ações de rastreamento de ativos financeiros para o pagamento de dívidas, desde a solicitação de informações financeiras dos devedores, até o efetivo bloqueio de valores em conta corrente, alcançando cooperativas de créditos e investimentos em renda fixa ou variável, como ações, além das instituições de pagamento, as fintechs.

Um grande avanço foi a recente implantação prática da famosa “TEIMOSINHA”. O Juízo agora consegue determinar o bloqueio de numerário de forma reiterada, ou seja, a partir da emissão da ordem de penhora on-line de valores, o magistrado poderá registrar a quantidade de vezes (a princípio pelo prazo de 30 dias) que a mesma ordem terá que ser reiterada no SisbaJud até o bloqueio do valor necessário para o seu total cumprimento.

Esse novo procedimento eliminará a emissão sucessiva de novas ordens da penhora eletrônica relativa a uma mesma decisão, de forma que a busca por ativos seja encerrada somente quando o Sisbajud localizar os valores integrais das dívidas, sem necessidade de nova intervenção do Juízo.

Em suma, o foco é reduzir os prazos de tramitação dos processos, aumentar a efetividade das decisões judiciais e aperfeiçoar a prestação jurisdicional.


Bianca Figueiredo, Advogada na área Cível na Alves Oliveira e Duccini Sociedade de Advogados

Nenhum comentário

Deixe um comentário

×